Vidrarias de Laboratório – Utilização

Frasco de Erlenmeyer – Utilizado em titulação, aquecimento de líquidos, dissolução de substâncias e realização de reações. Quando aquecê-lo, empregue o tripé com a proteção da tela de amianto.

Balão de fundo redondo – Nele são aquecidos líquidos e realizadas reações com liberação de gases. Para aquecê-lo, use o tripé com a proteção da tela de amianto, ou manta aquecedora.

Béquer– Apropriado para reações, dissolução de substâncias, precipitações e aquecimento de líquidos. Para levá-lo ao fogo, use tripé com a proteção da tela de amianto.

Alonga– serve para conectar o condensador ao frasco coletor nas destilações, direcionando o fluxo de líquido.

Funil – O funil é utilizado para filtração, sendo que para filtrações mais delicadas (geralmente, em análises quantitativas), emprega-se o funil analítico, que tem diâmetro pequeno e haste maior. Às vezes, o analítico apresenta internamente estrias no cone e na haste.

Mangueira – usada para conectar e transportar a água para o condensador, ou outras utilidades.

Tubo de ensaio – Empregado para reações em pequena escala, principalmente testes de reação. Com cuidado, pode ser aquecido diretamente na chama do bico de Bunsen.

Condensador– Dispositivo para liquefazer vapores. É utilizado na destilação de soluções.

Bastão de vidro – baqueta ou bagueta. Haste maciça de vidro com que se agitam misturas, facilitando reações. É utilizado, principalmente para ajudar na dissolução de substâncias sólidas em líquidas.

Pipeta graduada e pipeta volumétrica – São utilizadas para medir com exatidão e transferir pequenos volumes de líquido. (Nunca se deve pipetar líquidos com a boca, utilize uma “pera” para puxar o líquido.

Bico de Bunsen – Também conhecido como bunsen. É a fonte de aquecimento mais empregada em laboratório. No entanto não se deve utilizá-lo para aquecer substâncias inflamáveis, para isso, deve-se utilizar uma chapa elétrica.

Cadinho – Geralmente é feito de porcelana. Serve para calcinação (aquecimento a seco e muito intenso) de substâncias. Poder ser colocado em contato direto com a chama do bico de Bunsen. Aguenta altas temperaturas, dependendo do material que foi feito.

Suporte universal – É empregado em várias operações, para sustentação de peças.

Vareta de vidro – Cilindro oco, feito de vidro de baixo ponto de fusão. Interliga peças como balões, condensadores, erlenmeyers etc.

Tripé de ferro – Sustentáculo utilizado com a tela de amianto para aquecimento de várias vidrarias.

Anel, ou argola – Preso à haste do suporte universal, sustenta o funil na filtração universal.

Pinça simples – Espécie de braçadeira para prender certas peças ao suporte universal.

Termômetro – usado nas medidas de temperatura.

Garra de condensador – Espécie de braçadeira que prende o condensador (ou outras peças, como balões, erlenmeyers etc.) à haste do suporte universal.

Estante de tubos de ensaio – Serve para alojar tubos de ensaio.

Pinça de madeira – Utilizada para segurar tubos de ensaio em aquecimento, evitando queimaduras nos dedos.

Cápsula de porcelana – Recipiente para evaporar líquidos.

Vidro de relógio – Peça côncava para evaporação em análises de líquidos. Para aquecê-lo, use tripé com tela de amianto.

Bureta – Serve para medir volumes, principalmente em análises. É utilizada para realizar medidas precisas de volume, também é utilizada em titulações.

Triângulo de porcelana – Suporte para cadinhos de porcelana colocados em contato direto com a chama do bico de Bunsen.

Tela de amianto – Serve para evitar o aquecimento direto de vidros refratários distribuindo o calor do bico de gás de forma uniforme.

Almofariz e pistilo – Empregados para triturar e pulverizar sólidos.

Frasco de Kitassato – Compõe a aparelhagem das filtrações a vácuo. Sua saída lateral se conecta a uma trompa de vácuo. É utilizado para uma filtragem mais veloz, e também para secagem de sólidos precipitados.

Balão de destilação – Destinado a destilação, pode ter um ou dois gargalos.

Funil de decantação – Utilizado na separação de misturas de líquidos imiscíveis.

Dessecador – Nele se guardam substâncias sólidas para secagem. Sua atmosfera interna deve conter baixo teor de umidade, para isso, utiliza-se agentes secantes, como sílica gel.

Pinça de Mohr e pinça de Hofmann – Servem para reduzir ou obstruir a passagem de gases ou líquidos em tubos flexíveis.

Provetas – Destinadas a medir volumes de líquidos e preparo de soluções.

Pinça metálica ou tenaz – Serve para manipular objetos aquecidos.

Pisseta – Frasco para lavagem de materiais e recipientes por meio de jatos de água, álcool e outros solventes.

Furadores de rolhas – Jogo de furadores utilizado para produzir orifícios de diferentes diâmetros em rolhas de cortiça ou de borracha.

Espalhador de chama – Adaptado ao bico de Bunsen, produz chama larga, apropriada para dobrar varetas de vidro.

Trompa de vácuo – Equipamento que, ligado à uma torneira, faz sucção nas filtrações à vácuo.

balança – Utilizada para medir massa de substâncias, sendo possível uma determinada precisão nos valores. É a balança mais utilizada em laboratórios. As balanças mais comuns em laboratórios são de duas, três e quatro casas decimais. Quanto maior for precisão da balança, ou seja, quanto mais casas decimais ela oferecer na medida de massa, maior o seu valor para aquisição.

Balão volumétrico – É utilizado principalmente para preparo de soluções padronizadas, mas pode servir para realizar reações químicas que não liberem calor. Essa é uma vidraria de medição precisa, ou seja, aquecer a vidraria ou realizar reações que liberem calor podem descalibrar a medida de volume que ela propicia.

Funil de Buchner – Utilizado para realização de filtragem à vácuo, é empregado juntamente com o kitassato.

Chapa elétrica com agitação – É utilizada para o aquecimento de substâncias e/ou agitamento. A chapa de aquecimento é útil e mais segura do que o bico de bunsen quando se utiliza substância inflamáveis. Esta é a forma mais comum e segura de aquecimento em um laboratório de química, atualmente. Ela também pode ser utilizada para o agitamento de soluções, aquecidas ou não. Normalmente, reações que necessitam de aquecimento e agitação são realizadas sobre uma chapa dessas, pois aquecimento e agitação são oferecidos ao mesmo tempo, de maneira simples e eficiente.

Aparelhagem de destilação – Montagem de aparelhos para uma destilação. Nesta montagem de vidrarias e equipamentos são usados uma manta aquecedora, um balão de fundo redondo, um adaptador de condensação (também conhecido como cabeça de destilação), um termômetro, um condensador reto e uma alonga. Para receber o líquido destilado, é necessário colocar um recipiente na saída da alonga. Neste sistema, é importante destacar que a água deve circular a partir da entrada inferior do condensador reto, até a saída superior. A circulação de água, no condensador, de baixo para cima, permite que o vapor mais quente nunca encontre a parte mais fria do condensador. Veja mais.

Funil para sólidos – É utilizado para direcionamento de sólidos à um recipiente com a abertura reduzida.

Conta gotas – É utilizado para retirar pequenas quantidades de volume de líquidos de soluções.

algumas figuras foram retiradas do programa de computador ChemLab